6 séries no Netflix para mulherzinha (empoderada)

serie+mulherzinha+netflix

Série e Netflix se combinam assim como arroz e feijão, Claudinho e Bochecha, Romeu e Julieta. Mas e quando a gente encontrar as melhores séries do Netflix para meninas empoderadas, fazendo a gente acreditar e viver mais ainda o nosso #grlpwr?

Essas são as minhas escolhas de série mulherzinha Netflix:

  1. Unbreakable Kimmy Schmidt

    “Unbreakable Kimmy Schmidt é bom?” 

    SIM! MIL VEZES SIM! Em séries originais Netflix ela é, de longe, uma das minhas prediletas.

    Uma mulher que foi aprisionada por um louco durante quinze anos, vai para Nova York viver a vida que sempre quis viver. Só isso já vale você apertando o play, né?

    Calma que só melhora: uma das roteiristas da série é a Tina Fey (MUSA!), as frases empoderadoras da Kimmy vão te querer fazer atualizar o status do Facebook a cada episódio.

    Dica: aperte o botão KIMMYFICAR, quando for assistir no Netflix. Você já encontra a 2 temporada de Unbreakable Kimmy Schmidt disponível, tá?

  2. Orange Is The New Black

    O que falar dessa série que eu pré julguei por tanto tempo? Achava que só era pegação e nada de história até que, num dia sem nada para fazer… Fui mordida pelo bichinho de Litchfield

    Na minha opinião, uma das coisas mais incríveis da série é o poder superação e reinvenção demonstrado pelas meninas. O elenco de Orange is The New Black dá uma aula de empoderamento e “você pode conseguir o que quiser e ser quem quiser” dentro e fora da tela.

  3. Chelsea Does…

    Chelsea Does, documentário do Netflix para quem gosta de saber um pouco sobre tudo. O mais legal é a opinião super sincera da Chelsea Handler, comedidante que eu A-M-O, de humor super polêmico e ácido.

     

    Chelsea é um exemplo do que fazer e do que não fazer, e eu curti muito o fato dela ser sincera durante todo o processo de gravação.

    Ótimo para conhecer outros pontos de vista da vida, realidades completamente diferentes da sua, formar novas opiniões e consolidar algumas tantas.

  4. House of Cards

    Em tempos de bela, recata e do lar, quem melhor do que Claire Underwood para desconstruir o assunto?

    Se você gosta de política e, principalmente, mulheres na política… só veja! Vou parar por aqui, não quero dar spoilers comprometedores. 

  5. Drop Dead Diva

    Essa é especial para galera que ama discutir e entender mais sobre padrões de beleza!

    Imagina ser uma modelo alta, magra, loira, com uma vida super glamourosa, cheia de marcas e roupas caras? E se, do nada, você virasse uma advogada gordinha, que não curte muito se arrumar, super inteligente e que sempre coloca as necessidades dos outros em primeiro lugar?

    Daquelas séries levinhas e divertidas, para assistir antes de dormir.

  6. Girl Boss (em breve, yeah!)

    Ai, essa vibe empreendedora mexe com meu coração.

    A história da Sophia Amoruso é SURREAL! Desde que li o livro (com o mesmo nome da série – Girl Boss), ficava pensando em como aquilo era história de filme (agora vai virar série!).

    As coisas que ela fez e passou, gente… Não teria como acreditar se não fosse ela mesma contando.

    A série ainda não estreiou, mas já dá para entrar na lista, né? Tô curiosa para ver o que a galera do Netflix vai aprontar na produção!

E por aí, você tem alguma série que acha super girl power? Me conta aqui nos comentários, vamos trocar dicas!

ps: agora a gente tem um Instagram só nosso! Segue lá @quintalblog 

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
  • Blogger
  • Tumblr
  • Pinterest
  • Orkut
  • Reddit
  • Delicious
  • LinkedIn
  • Add to favorites
  • PDF
  • Print
  • Email
  • RSS

Aprendendo a lidar com ansiedade

B6CADUCNVG

ansiedade an.si.e.da.de sf (lat anxietate) 1 Aflição, angústia, ânsia. 2 Psicol Atitude emotiva concernente ao futuro e que se caracteriza por alternativas de medo e esperança; medo vago adquirido especialmente por generalização de estímulos.3 Desejo ardente ou veemente. 4 Impaciência, insofrimento, sofreguidão. 

Lidar com ansiedade sempre foi algo que esteve presente na minha vida. Mesmo quando eu nem sabia o que era ansiedade, lidar com todos os sentimentos descritos acima era algo rotineiro. Antes do tratamento eu “lidava” com essa confusão interior de um jeito bem simples, comendo. E depois ficava extremamente aflita e angustiada por ter comido. Aí eu comia mais. Era um ciclo interminável

Felizmente, esse ciclo foi quebrado. E depois que percebi que não precisava mais correr para comida tive que aprender como lidar com a ansiedade (para não viver num constante ataque de ansiedade – se você tiver a oportunidade de assistir esse filme, vai entender melhor algumas coisas sobre ataques de ansiedade. Mas o filme também é maravilhoso, então vale a pena ver de qualquer forma) e, confesso, demorou um pouco até chegar nesse ponto onde a ficha começa a cair. 

A primeira coisa que entendi é que preciso sentir todos os sentimentos, pelo menos no primeiro momento. Ignorar, reprimir e fingir que não é comigo, torna a situação muito mais pesada e demorada do que é para ser realmente. Você pode se achar infantil por ter ficado chateada porque o vestido que você amava não fechou, mas confia em mim, é melhor chorar, espernear, soluçar, se achar feia, dizer que nunca mais vai sair de casa e que é a pior pessoa do mundo… no primeiro momento. Quando você permitir que todos os sentimentos sejam sentidos, verbalizados, vividos e plenamente entendidos, vai entender o que serve e o que não serve. É aí que entra a parte maravilhosa

BD31KHIDA7

Sentiu tudo? Já chorou, esperneou, se achou a pior pessoa do mundo? Ok. Agora que as lágrimas já secaram, você já tomou um banho quente e bebeu água, decida quais sentimentos você quer e quais sentimentos você não quer. Simples! Agora é a hora de olhar a situação tipo adulto, entendendo o que está ao seu alcance (e você pode mudar) e o que não está. Por exemplo, no caso do vestido: você não é a pior pessoa do mundo, você não é feia e uma hora vai ter que sair de casa. Então, o que você quer? Emagrecer ou comprar um vestido de outro número? Acabou, pronto. Decisões serão tomadas a partir disso e toda vez que se deparar com alguma coisa que vai te gerar ansiedade VIVA ESSES SENTIMENTOS, mas não se entregue à eles para sempre. 

Eu achava impossível conseguir sentir meus sentimentos sem me entregar para sempre, mas quando fiz isso, percebi que é muito mais fácil do que parece ser. A gente tem um senso de que aquilo não serve para gente e que é melhor seguir deixando certas bagagens para trás. Não tenho palavras para descrever como pensar assim vem me ajudando. 

A segunda coisa que entendi – na verdade Deus mandou um tapa na cara diretamente fromHEAVEN – foi que é absurdamente necessário aprender a viver um dia de cada vez, caso a gente queira ser feliz de forma genuína e verdadeira. Para mim, é um desafio

I74E3I0K0L

Amo planejar, quem me segue no Pinterest não faz ideia da quantidade (e especificidade) de painéis secretos que eu tenho. Então, trazer questões com as quais vou ter que lidar nos próximos dias, semanas, meses e anos é algo com o qual preciso lutar constantemente. 

Muitas vezes a gente entra numa crise de ansiedade por se preocupar com algo que não tem o mínimo controle nesse momento. Coisas como: “como vou ter dinheiro para me sustentar?” “Será que aquele jeans vai caber em mim na volta às aulas?” e tipo… É, eu sei. Eu tenho os mesmos sentimentos.

O que eu venho me forçando (forçando mesmo) a fazer, é pensar:

  • Preciso resolver isso hoje? 

Se a resposta for não, então deixo para lá. 

  • O que eu posso fazer agora sobre isso?

Se for possível fazer ALGUMA COISA plausível e real sobre o assunto, naquele momento, eu faço. Se não for, então, isso não é um assunto para agora. 

Unir essas duas coisas tem me ajudando de uma forma espetacular. Ainda estou trabalhando em viver o AGORA; entender que para cada dia basta o seu mal e que eu não preciso ter tudo da minha vida resolvido nesse momento. Mas é um processo. É maravilhoso sentir que você não é escravo dos seus medos, já que você permite que eles falem o suficiente para você entender o quão idiota eles são. 

E por aí, como você lida com ansiedade? Tem alguma técnica ou história para dividir com a gente? Me conta, quero saber da sua história!

ps: agora a gente tem um Instagram só nosso! Segue lá @quintalblog ♥

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
  • Blogger
  • Tumblr
  • Pinterest
  • Orkut
  • Reddit
  • Delicious
  • LinkedIn
  • Add to favorites
  • PDF
  • Print
  • Email
  • RSS

Os seus erros não te definem

3

Já ouviu aquela frase: “Quem vive de passado é museu”? Pode ser sua avó falando mas também pode ser a definição do seu atual comportamento em relação à um monte de coisas. Isto já me causou problemas por muito tempo, então, hoje vou ser curta e direta no que preciso compartilhar com você. Combinado?

Todo mundo erra. SIM, essa pode ser a frase mais clichê da vida (hoje tô toda trabalhada nas frases clichês); mas é o principio básico do qual vamos partir para entender essa bagunça que muitas vezes fazemos com a gente. Então, ok, nessa parte que todo mundo erra, estamos entendidos, certo? Você pode ter, talvez, ter saído para uma festa domingo de madrugada, quando tinha a prova mais importante do ano na segunda, às seis da manhã. Pode ter falado “débito” ao invés de “crédito”, na hora de comprar aquele vestido que estava louca de amores e ficou pobre o resto do mês. Ou até ter curtido, sem querer, a foto do seu crush secreto, não conseguiu desfazer e ele viu antes.

2

Esses são erros “comuns” e não tão graves (dependendo do seu grau de amores pelo crush, claro); daqueles que a gente consegue rir depois de um tempo e contar numa roda de amigos. Mas quando os erros vão ficando mais sérios, envolvendo escolhas importantes para gente – como namorado, nosso próprio corpo, amizades, profissão, faculdade, etc – eles tomam uma proporção muito mais pesada e parece que não conseguimos nos perdoar. Podemos até superar o erro, limpar a bagunça e seguir em frente. Mas, lá dentro, aquela vozinha ainda sussurra no seu ouvido: “Você nunca sabe escolher namorado direito, mais cedo ou mais tarde ele vai te decepcionar”, “você nunca consegue ir até o final com as suas metas, daqui a pouco abandona esse sonho”, “todas as suas amigas mulheres falam mal de você pelas costas, você não sabe escolher em quem confiar” e a lista segue. Infelizmente, todo mundo tem essa voz mentirosa interior (minha mãe chama de GLS – Garoto Levado Sabotador) que pega o nosso padrão de erros do passado e tenta fazer a gente acreditar que eles vão continuar se repetindo. E a gente, na maioria das vezes, nem percebe e acredita.

E nisso de ir acreditando, obviamente, as mesmas coisas vão acontecendo e não conseguimos entender o porquê sempre caímos nas mesmas armadilhas e erros. Parece que estamos presos na mesma situação, só que com pessoas e lugares diferentes. É a pior sensação do mundo sentir que a nossa vida não vai para frente.

1

Ei, tô aqui para te dizer uma coisa: os seus erros NÃO TE DEFINEM! Quem vive de passado é museu e o seu GLS é um mentiroso! Não é por que até hoje você teve namorados idiotas, que você vai ter namorados idiotas para o resto da sua vida. Não é porque você teve dificuldades de ir até o fim com um projeto, que você nunca vai conseguir completar nada. Não é porque a sua melhor amiga de infância te decepcionou, que todas as suas amigas são falsas. Pare de ouvir seus demônios interiores e comece a viver uma vida aonde você tem a plena certeza que pode e VAI conseguir o que quiser.

Todo dia eu tiro um tempo lendo a Bíblia (melhor decisão que tomei sobre como usar a minha manhã) e lá tem uma frase que eu gosto muito (e sempre uso quando algum erro do passado tenta me assombrar):

“Não estou querendo dizer que já consegui tudo o que quero ou que já fiquei perfeito, mas continuo a correr para conquistar o prêmio (…) É claro, irmãos, que eu não penso que já consegui isso. Porém uma coisa eu faço: esqueço aquilo que fica para trás e avanço para o que está na minha frente”. – Filipenses 3:12-13 (NTLH)

É isso! Óbvio que ainda não conseguimos alcançar todos os nossos sonhos e metas (estamos só no começo da vida). Mas precisamos esquecer do passado e avançar para o que está na nossa frente, o futuro. Esse sim a  gente pode moldar do jeito que quiser.

Para acabar com essa sensação de estar vivendo tudo de novo, outra vez, se esqueça daquilo que fica para trás e avance para o que está na sua frente. Só leve as boas lições aprendidas e aplique-as quando necessário. Seu passado não te define, você – com certeza – não é a mesma pessoa que era há três ou cinco anos atrás, então deixa as escolhas erradas dela de lado.

4

Comece agora a viver a vida que você sonha em viver, ao invés de ficar presa no que deu errado antes. Não deixe a culpa pelos erros da passado te consumir. Lembre-se de que SEMPRE é tempo de fazer as coisas de um jeito diferente. Quando o seu GLS quiser atacar, traga à memória o trecho de Filipenses que coloquei ali em cima; leia quantas vezes precisar e lembre-se: seus erros não te definem.

E por aí, o que você faz quando o passado tenta te assombrar? Tem algum erro que te persegue até hoje? Me conta, quero saber suas histórias!

ps: agora a gente tem um Instagram só nosso! Segue lá @quintalblog ♥

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
  • Blogger
  • Tumblr
  • Pinterest
  • Orkut
  • Reddit
  • Delicious
  • LinkedIn
  • Add to favorites
  • PDF
  • Print
  • Email
  • RSS